segunda-feira, 26 de julho de 2010

SUPERANDO OBSTÁCULOS

Tudo parecia perfeito, a libertação da personalidade que eu era obrigado a assumir dia após dia como uma epécie de tortura diária, estava prestes a ter fim. Olhei no espelho após a primeira grande atitude de cortar o cabelo e me vestir com roupa exclusivamente masculina ( não mais unisex ), "enfaixei" aqueles que me incomodavam e de que nada tinha orgulho, os peitos, que não gostava de denominar seios. E ali estava: a primeira grande parte de mim. Estava desaprisionando um pássaro que de tantos anos presos, não sabia voar. Sorri, senti-me leve, e a vida se simplificou naquele sorriso.
Os efeitos de que tudo era só flores apartir daquele momento confrontaram-se com a realidade ao sair na rua, na verdade, ao sair do quarto. Eu não havia comentado com ninguém mais além da minha namorada, e não imagina o quanto minha família sofreria com o que pra mim seria um desaprisionamento. Tudo era tão bom que eu não conseguia fazer conexão alguma com dor ou sofrimento, mas além deles vierão também os preconceitos, os julgamentos, a rejeição, o afastamento... e eu comecei a perceber que haveria de pagar um preço, mas nada me impediria, nada era maior do que o desejo de ser feliz. Por vezes me questionei se estava sendo egoísta, mas aos poucos entendi que não existem grandes mudanças sem processos de desapego, e que nem sempre são agradáveis. Entendi que eu deveria suicidar a velha personalidade, enterrar, aprender e ensinar a esquecer. E a morte, como é comum que seja, é dolorosa. O transexual precisa morrer para nascer de novo, a grande diferença é que para nós essa morte tem sabor de vida, é prazerosa, libertadora... para os que nos são próximos, é muitas vezes assustadora, eles não sabem o que está por vir, nós sabemos porque convivemos por toda a vida com essa imagem de quem somos em nossa mente. Eles não, não sabem quem somos além de quem temos sido até então. È preciso ter amor, paciência e tolerância com os que amamos, muito mais nós com eles do que o contrário. Essa fase iria passar, aos poucos eles sentiriam junto comigo o alívio de me verem como sou. E passou...
È preciso saber que nem todos vão ficar, alguns, talvez por medo, se afastarão. Mas o tempo vem remediar essas feridas. O amor, quando verdadeiro, sempre permance.
As pessoas não foram os únicos obstáculos, os sistemas, as leis, a medicina, os orgãos públicos... alguns parecem ignorar a existência do homem transexual, ou reunem meias informações e formam conceitos errados sobre nós. Precisei enfrentar cada uma dessas barreiras com a força da minha vontade de viver, impulsionando, pressionando, doando a energia que me mantinha nessa luta. E a vida me doou pessoas, para que eu não me sentisse só, pessoas as quais serei eternamente grato, é preciso saber recebê-las, mantê-las e,principalmente, agradecê-las.

O mais importante nisso tudo, é que percebi a missão: Não adiantava cobrar que os médicos soubessem lidar comigo, que os orgãos públicos soubessem me receber sem olhar torto e muitas vezes criar caso me impedindo de tirar documentos importantes para a minha ação como cidadão. Não, não adiantava bater de frente, seria exaustivo e tão violento quanto a violência que eu sentia em mim. Era fato que o mundo parecia estar despreparado, mas tudo na história teve um começo de luta, de imposição. E como tudo o que é novo, assusta, apavora... eu estava lá, e precisava continuar fazendo parte do mundo, se eles não sabiam lidar comigo, eu é quem precisaria ensinar, com amor e paciência.
Diferente das mulheres transexuais, os homens têm se mantido discretos, querem excercer seu papel na sociedade sem precisar remeter ao passado. E de fato, é isso que a maioria de nós quer. Mas o silêncio fez com que todas essas barreiras continuassem ali presentes para os próximos que viriam a superá-las, tornando nossa trajetória solitária e dificultando o real entendimento a nosso respeito. Acredito que possa existir a revolução silenciosa, sem exposição. Através dela abriremos caminhos, facilitando o entendimento, somos o que somos e é preciso respeitar esse dom, assim como todos os outros!

6 comentários:

  1. Olá,

    Parabéns pelo blog.

    Você escreve de maneira sensível, sem ser frio e automático, mas ainda ssim passando sua realidade. Isso aproxima o outro pq ele sente.

    Só não creio que seja preciso "morrer" para ser. À princípio pode até parecer de fato tamanha a confusão e angústia, mas quando se descobre que é possível unir energias, e que ao contrário do que dizem, elas são complementares e não opostas, a jornada torna-se contínua. O olhar rejuvenece pela liberdade de se permitir ser, e a criança do físico encontra conforto na maturidade da alma.

    :D

    Abrs!

    ResponderExcluir
  2. não vejo a hora de ler mais!!! por favor sua escrita é de alguém que reflete e sabe certinho o seu lugar no mundo!!! parabéns por também revelar este dom de expressar-se, não só fisicamente mas através da escrita!!

    ju coraggio

    ResponderExcluir
  3. Lu...te conheço a pouco mais de 2 hs... e da forma que vc entrou em minha vida...logo notei que era alguem muito especial... Te admiro muito!!

    bjos

    Julye

    ResponderExcluir
  4. Olá.. quero agradecer carinhosamente a todos os belos comentários... sinceramente quando comecei a escrever achei que ninguém se interessaria rs, e é animador ver que lêem o que escrevo. Sinceramente, muito obrigado a todos.
    Quero fazer uma breve observação quanto ao "morrer para ser", esta "morte" ou renascimento, seria não de nossa parte como transexual, mas da parte das pessoas que nos são próximas, é um processo mental que muitas vezes eles sentem fazer para aceitar nosso "novo" eu, que na verdade, é novo só para eles, não para nós.
    Um grande abraço a todos e espero que continuem a acompanhar as postagens. Aguardo novos comentários.

    Luz e Beijos!

    L.P

    ResponderExcluir
  5. Bom, lendo este texte me passaram várias e até distintas emoções.

    Mas, vou reforçar a opinião do Anônimo neste trecho: "Você escreve de maneira sensível, sem ser frio e automático, mas ainda ssim passando sua realidade. Isso aproxima o outro pq ele sente."

    É impressionante como você escreve bem, e o quanto ler suas palavras, de certo modo, nos coloca dentro do contexto.

    ResponderExcluir
  6. Felipe,

    Muito obrigado amigo, fico até sem graça, mas feliz ! è bom saber que posso bem compartilhar meus pensamentos e sentimentos com pessoas como vocês!
    Muito obrigado!!

    ResponderExcluir